Coronavírus: A humanidade por trás do surgimento da Pandemia

coronavírus

Por conta do novo coronavírus, estamos vivenciando um momento difícil para toda a humanidade! Esse é um novo vírus, ainda pouco conhecido pela Ciência, que tem se alastrado em escala global e provocado a morte de milhares de pessoas em todo o Mundo.

É apenas uma “gripezinha”?! Quem são os grupos de risco para o COVID-19?! Ainda há muitas dúvidas sobre a doença. Nesse post, vamos explorar um pouco a relação da origem da doença com a elevada antropização em escala global.

Normalmente, a quantidade de patógenos transferidos de animais para a raça humana tende a aumentar conforme seus habitats naturais são degradados pela ação do homem. Esse aumento na transferência de zoonoses também está relacionado com os hábitos alimentares de vários povos. O principal deles é a ingestão de animais silvestres.

Pensando nisso, publicamos no canal da Brasil Bioma um vídeo explicando um pouco mais a fundo essa relação, que inclusive é explorada por uma série de pesquisas que vem sendo realizadas sobre o COVID-19 e outras pandemias do passado. Assista e confira:

Neste texto, vamos falar sobre a relação existente entre a degradação ambiental e o surgimento de novos vírus, além dos impactos que o isolamento social e a quarentena tiveram no meio ambiente.

Boa leitura!

O que é o coronavírus?

Para entender a relação entre a Pandemia x Meio Ambiente, é importante compreender o que é o Coronavírus (CoV). Trata-se de uma expressiva família de vírus. No entanto, apenas seis linhagens deles são capazes de infectar os seres humanos.

Assim, os coronavírus são conhecidos pela comunidade científica desde a década de 1960, causando infecções no sistema respiratório tanto em humanos quanto em animais.

O problema relacionado ao estudo de vírus ou bactérias está atrelado a taxa de mutação dos mesmos. Periodicamente, mutações ocorrem e induzem a mudança de comportamento, taxa de infestação e demais características desses organismos.

Normalmente, uma pessoa infectada por um coronavírus desenvolve doenças respiratórias de leves a moderada. Muitas delas, inclusive, se assemelham a um resfriado comum.

Dessa maneira, a maior parte da população acaba se infectando por essa família viral durante a sua vida. Além disso, existem os coronavírus mais comuns quando o assunto é infecção humana. São eles:

  • Beta coronavírus: OC43 e HKU1;
  • Alpha coronavírus 229E e NL63.

Entretanto, alguns dos coronavírus também são capazes de originar síndromes graves no sistema respiratório. Uma delas é a SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome), em português, Síndrome respiratória aguda grave.

Em 2002, houve uma séria epidemia de Sars iniciada na China, sendo disseminada rapidamente por mais de 12 países na Ásia, Europa, América do Sul e América do Norte. Esta matou 774 pessoas, das 8.098 infectadas. Essa epidemia foi controlada apenas em 2003.

No fim de 2019, um novo vírus da família coronavírus foi identificado após a coleta de amostras de pacientes infectados: o Covid-19, Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a provável fonte de transmissão desse vírus é um animal silvestre conhecido como Pangolim.

Atualmente, países em todos os continentes já foram afetados pelo Covid-19.

Pandemia X Meio Ambiente: Novo vírus e desequilíbrio ambiental

pandemia x meio ambiente

O Covid-19 tem se alastrado por todo o planeta principalmente por conta das atividades invasoras e devastadoras do ser humano em relação ao meio ambiente.

O novo coronavírus existe há muito tempo na natureza, provavelmente alojado em animais silvestres da Ásia. Assim, com o aumento da urbanização de áreas verdes, o vírus foi capaz de alcançar os seres humanos. Porém, o organismo humano ainda não possui imunidade contra o Covid-19 e, assim, parte das pessoas que o contrai podem apresentar sintomas leves a graves assemelhados ao de uma Gripe.

Dessa maneira, é necessário que as nações mundiais passem a se preocupar com o consumo desenfreado, já que isso gera uma cíclica destruição da fauna e flora em todo o mundo, além de recorrentes mudanças climáticas. Isso acaba gerando um ambiente propício para a disseminação de diversos tipos de vírus, por exemplo.

Caso a sociedade não se torne mais consciente em relação aos recursos naturais, é provável que situações extremas continuem se repetindo de tempos em tempos.

O desenvolvimento acelerado dos países costuma ser baseado em desmatamentos, extinção local de espécies nativas e substituição de paisagens naturais por cidade, lavouras e/ou áreas degradadas. Com isso, diversas doenças que estavam contidas acabam se proliferando no ambiente urbano, como provavelmente aconteceu com o novo coronavírus.

Surgimento do novo coronavírus

De acordo com a OMS, o Covid-19 foi transmitido aos humanos através do contato com morcegos ou a partir de um hospedeiro intermediário, um animal silvestre denominado Pangolim.

O Pangolim (ver abaixo) é um animal que vive na Ásia ou Áfria e se encontra ameaçado de extinção. Ele é considerado uma iguaria alimentar e, por isso, é muito cassado. Além disso, a sua pele é usada na medicina chinesa (outra potencial maneira de contaminação).

Coronavírus: conheça o pangolim, mamífero apontado como possível ...

Dessa maneira, além do convívio com animais selvagens, o consumo de produtos de origem animal crus ou mal cozidos também precisam ser evitados. Alguns exemplos são:

  • Órgãos de animais crus;
  • Leite fresco;
  • Carne crua.

Segundo orientações da OMS, é preciso ter bastante cuidado para que não haja a contaminação cruzada oriunda de alimentos não cozidos.

Por conta disso, após o início do surto do novo coronavírus, a China proibiu que animais silvestres fossem comercializados e consumidos no país.

É importante que seres humanos interajam de forma sadia com a natureza, já que ambos fazem parte do mesmo sistema interconectado. Porém, é preciso que haja o completo entendimento sobre o funcionamento de tal sistema. Dessa maneira, haverá a minimização das consequências às ações humanas.

Com isso, é muito importante, inclusive, basear tais atividades em opiniões de especialistas no assunto. Assim, é possível recorrer a empresas de consultoria ambiental com profissionais bem formados na busca da mitigação dos impactos ambientais no decorrer do processo do próprio licenciamento ambiental de empreendimentos.

Coronavírus: Entenda a relação entre Pandemia X Meio Ambiente

Após o surgimento e internacionalização do surto do novo coronavírus, foi necessário estimular o isolamento social. Isso levou diversas nações a adotarem uma postura de quarentena, a fim de evitar novos contágios e mortes pelo vírus. Esse isolamento é encarado como a maneira mais eficaz de diminuir o contágio, já que tira as pessoas de circulação das ruas.

Economias de todos os países indubitavelmente sofrerão os impactos desse isolamento social. E governos correm para tentar atenuar esses impactos econômicos, principalmente para a camada mais pobre e vulnerável da população.

Essa nova pandemia, por outro lado, também teve “impactos positivos” de forma não intencional. A Covid-19 contribui para a queda de emissão de poluentes em diversos pontos do mundo.

Imagens de satélites evidenciam que a quarentena fez com que houvesse uma diminuição significativa no lançamento de gases nocivos na atmosfera.

Um exemplo disso foi o que aconteceu na China após a interrupção do funcionamento do tráfego rodoviário, ferroviário e aéreo na China. Tais restrições foram capazes de diminuir as emissões de dióxido de carbono no país em 25% durante 4 semanas a partir do final do mês de janeiro. Tal comparação foi feita em relação ao mesmo período de 2019.

Além disso, os satélites que são operados tanto pela Agência Espacial Europeia quanto pela NASA e monitoram a poluição mundial, detectaram uma drástica redução de gases poluentes na atmosfera chinesa após o início da quarentena no país.

Os satélites analisaram as concentração de gases liberados por automóveis, indústrias e usinas, como o dióxido de carbono, no período de 1º a 20 de janeiro e de 10 a 25 de fevereiro.

A diferença você consegue identificar na imagem abaixo:

coronavirus pandemia x meio ambiente

Já em Nova York, a redução da poluição foi de 28% durante a mesma época do ano passado.

Em Veneza, por sua vez, os famosos canais que são muito procurados por turistas estavam claros, sendo possível observar peixes nadando em alguns pontos, por exemplo.

veneza coronavírusApesar do novo coronavírus ter feito com que a humanidade tivesse que enfrentar um momento difícil, é importante que nós aprendamos com as suas importantes lições.

Assim, é preciso refletir sobre as ações humanas que impactam negativamente o meio ambiente, causando a destruição de ecossistemas e levando à extinção de muitas espécies. Dessa maneira, é possível reverter, inclusive, as grandes mudanças climáticas que estamos enfrentando, para que assim se busque prevenir ou pelo menos atenuar crises futuras. A pressão da sociedade é vital nesse processo!

É necessário, portanto, que saibamos readequar nossos hábitos, a fim de que haja uma reestruturação na economia e na expansão de infraestrutura. Dessa forma, será possível manter os efeitos ambientais observados na quarentena e reduzir o avanço de novas doenças, como a Covid-19.

Qual a sua opinião em relação à quarentena imposta pelo Governo? Conta pra gente a sua impressão aqui nos comentários abaixo!

Também não deixe de compartilhar esse artigo com os seus amigos!

Quer aprender mais sobre o assunto?

Acesse o nosso portal de conteúdos da área ambiental e cadastre-se!

Quer mais conteúdo? Curta e compartilhe!

 

Share