19 de Abril – Dia do Índio

19 de Abril - Dia do Índio

O dia do índio é celebrado no Brasil todo dia 19 de abril e foi instituído no calendário nacional pelo então presidente Getúlio Vargas.

Em 1940, foi realizado o I Congresso Indigenista, no México, onde iriam ser discutidos assuntos referentes à qualidade de vida dos índios.

Os Índios também foram convidados a participar do Congresso, mas como estavam acostumados a serem desrespeitados, preferiram não participar.

Após alguns dias, os Índios entraram em um acordo e decidiram participar do Congresso, já que lá seriam discutidos problemas que dizem respeito a eles.

A data em que foi tomada esta decisão tão importante era 19 de abril de 1940. Por este motivo, em 1943, Getúlio Vargas, que era o atual presidente do Brasil, decretou que todo dia “19 de abril” seria comemorado o dia do Índio no Brasil.

Vale lembrar que os índios apenas aceitaram participar do congresso após a intervenção do Marechal Rondon.

Neste dia do ano ocorrem vários eventos dedicados à valorização da cultura indígena. Nas escolas, os alunos fazer pesquisas sobre a cultura indígena, os museus fazem exposições e os municípios organizam festas comemorativas. Deve ser também um dia de reflexão sobre a importância da preservação dos povos indígenas, da manutenção de suas terras e respeito às suas manifestações culturais.

Devemos lembrar também, que os índios já habitavam nosso país quando os portugueses aqui chegaram em 1500. Desde esta data, o que vimos foi o desrespeito e a diminuição das populações indígenas. Este processo ainda ocorre, pois com a mineração e a exploração dos recursos naturais, muitos povos indígenas ainda estão perdendo suas terras.

A comemoração do dia do Índio faz homenagem a uma ampla diversidade de povos que tiveram papel fundamental na formação cultural e étnica da população brasileira. Estando aqui há muito tempo, a população indígena desenvolveu uma rica cultura formada por diversos costumes, línguas e saberes que ainda se mostram vivos e ainda desconhecidos por grande parte da população brasileira.

O processo de instalação dos índios em nosso território é compreendido a partir das teorias que discutem a ocupação do continente americano. Segundo algumas pesquisas, os primeiros grupos humanos que aqui chegaram eram provavelmente oriundos de regiões da Ásia e da Oceania. Com o passar dos séculos, essas populações pré-históricas se espalharam pela América e, consequentemente, deram origem a uma infinidade de civilizações e culturas.

Ao longo da colonização, a relação entre os índios e os europeus foi visivelmente marcada por conflitos. Muitos colonizadores queriam explorar a mão de obra indígena através da escravização desses povos. Sob o aspecto cultural, os índios sofreram um processo de aculturação promovido pela ação catequizadora dos padres jesuítas. Durante boa parte de nossa história, o índio era visto como uma figura “selvagem” que precisava ser necessariamente “civilizada”.

Somente no século XX, algumas políticas começaram a ser implantadas no sentido de promover a integração dos índios ao “restante da sociedade brasileira”. Apesar das boas intenções percebidas nesses esforços, muitos dirigentes e representantes do Estado não conseguiam ver uma política adequada que efetivamente respeitasse as peculiaridades que constituem a população indígena. Por muito tempo, o índio foi colocado sob a tutela do governo, configurando uma espécie de “cidadão menor”.

Atualmente, vários dispositivos legais procuram garantir uma série de direitos aos povos indígenas do Brasil. No entanto, os índios ainda sofrem com o interesse de fazendeiros, madeireiros e garimpeiros que tentam explorar as suas terras em benefício próprio. Em meio a esse conflito, o contato dessa população com os índios promove uma série de mudanças que vão desde a disseminação de epidemias, até a mudança nas relações socioculturais que anteriormente organizavam esses povos.

O mais importante dispositivo legal é a Funai – Fundação Nacional do Índio; órgão indigenista oficial do Estado brasileiro. Foi criado pela Lei 5 371, de 5 de dezembro de 1967. É vinculado ao Ministério da Justiça. Sua missão é coordenar e executar as políticas indigenistas do Governo Federal, protegendo e promovendo os direitos dos povos indígenas. São, também, atribuições da Funai: identificar, delimitar, demarcar, regularizar e registrar as terras ocupadas pelos povos indígenas, promovendo políticas voltadas ao desenvolvimento sustentável das populações indígenas e reduzindo possíveis impactos ambientais promovidos por agentes externos nessas terras; bem como prover, aos indígenas, o acesso diferenciado aos direitos sociais e de cidadania, como o direito à seguridade social e à educação escolar indígena. A Funai sucedeu o SPI – Serviço de Proteção ao Índio.

Os índios são divididos em troncos, sendo que os mais importantes são o Tupi e o Macro-Je, que dão origem a todas as demais famílias. O mesmo acontecendo em ralação a linguística, que baseia-se nos dois troncos acima citados.

museu do indio

            Fonte: museudoindio.gov.br

Esta coluna é de responsabilidade da Gabriel Lima, biólogo ([email protected]).

Fontes:

https://pt.wikipedia.org

http://www.suapesquisa.com

https://noticias.terra.com.br

http://mundoeducacao.bol.uol.com.br

http://www.museudoindio.gov.br

http://www.museudoindio.org.br

http://www.funai.gov.br/

Share

Esta é a coluna oficial do eFlora Web, onde traremos periodicamente informações, dicas e conteúdos relacionados à área de Botânica, Biodiversidade e Meio Ambiente. O objetivo aqui é ser mais um canal direto com você, internauta. Sinta-se à vontade, este espaço é seu!