A responsabilidade da escola

A responsabilidade da escola

Muito tem se falado sobre preservação, produtos orgânicos, reflorestamento, redução da emissão de gases tóxicos e incentivos ao produtor familiar. São temas recorrentes na mídia, nas redes sociais e entre grupos criados para esse fim. Mas na rede escolar como um todo, como se tem trabalhado estes temas?

Existem algumas iniciativas bastante tímidas como a criação de hortas escolares, mas são raras…. Ter aulas teóricas sobre meio ambiente sem discussões mais aprofundadas sobre nossa realidade é o mais comum em nossos currículos. Assim como em outras áreas do conhecimento, não privilegiamos a prática, a observação, a análise e, principalmente, a proposta de soluções. E claro, a aplicação dessas propostas.

A maioria absoluta de nossos estudantes não tem a percepção de que este não é apenas um tema para estudo. É a vida de todos que está em jogo. É o oxigênio rareando com a derrubada indiscriminada e criminosa de espécies vegetais. É a água contaminada e se escasseando pelo mau uso pelas indústrias, sem fiscalização. É a ignorância de muitos no uso e manejo de solo, água e ar.

E aí é que entram as escolas. Só se combate a ignorância com conhecimento. Só podemos propor soluções quando conhecemos o problema. Só criamos um futuro melhor se conhecermos e compreendermos os erros do passado e transformarmos o presente.

Meio ambiente não deveria se restringir a uma área. Deveria permear todas… A história pode nos ensinar muito sobre como chegamos ao ponto em que estamos. A geografia deveria aprofundar conhecimentos sobre a terra e seus usos, urbanos e rurais. A disciplina de português fazer uso de textos, interpretações e desenvolvimento de redações bem elaboradas sobre o tema. A matemática com estatísticas e estimativas sobre nosso passado e futuro. Ciências deveria estimular a pesquisa e o trabalho em campo para melhorar a vida de todos. A arte, em todas as suas formas, a explorar o tema. A educação física a demonstrar a importância de uma vida saudável no desenvolvimento físico e mental de todos. E, claro, a filosofia para entender como chegamos no ponto em que estamos… E a sociologia compreendendo e propondo soluções para todos…

Impossível? Não… basta querer!

 

Esta coluna é de responsabilidade de Maria Lúcia Porto, professora e coordenadoraescolar aposentada ([email protected]).

Share

Gabriel Lima é graduado em Ciências Biológicas, e assistente de redação no eFlora Web. Considera-se um admirador das plantas e amante da Botânica.